Home Editora Livros Notícias Onomástica Distribuidores
 
  Marcus Vinicius da Cunha
Doutor em História e Filosofia da Educação, livre-docente em Psicologia da Educação e professor da Universidade de São Paulo (USP). Autor de John Dewey: uma filosofia para educadores em sala de aula (Vozes, 1994), A educação dos educadores: da Escola Nova à escola de hoje (Mercado de Letras, 1995), John Dewey: a utopia democrática (DP&A, 2001) e Psicologia da educação (Lamparina, 2008).
 
 

 

 
Psicologia da educação

Marcus Vinicius da Cunha.
.
.
.
.
O maior diferencial da análise aqui desenvolvida, quanto a outros livros da área, é orientar o leitor por um itinerário que se inicia no cerne das teorias psicológicas, para só então transpô-las à prática pedagógica. As ideias de Freud, consolidadas na psicanálise, as concepções de Pavlov, Watson e Skinner, que redundaram no comportamentalismo, e as preocupações epistemológicas de Piaget, levadas em conta na elaboração de sua psicologia genética, são estudadas, antes de mais nada, como paradigmas científicos, especialmente no que diz respeito às concepções de sociedade que cada um contém. Não se trata de resumir conceitos, mas sim de apreender os tópicos que possibilitam sua apropriação no campo educacional.

 
 

 

 
O que é filosofia da educação?

Paulo Ghiraldelli Jr.. (org.)
.
.
.
.
Intencionar a prática educacional, tarefa da filosofia da educação, é fornecer-lhe condições para que ela se realize como práxis, ou seja, como ação amparada em significações explicitadas e assumidas pelos sujeitos envolvidos. É por isso que se pode definir a área em pauta como o empenho em desvendar e construir o sentido da educação no contexto do sentido da existência humana. Para empreender esse trabalho, a disciplina não pode, atualmente, prescindir de íntima solidariedade com as ciências — só se legitimará ao escorar-se nos fundamentos que representam a condição de radical historicidade e sociabilidade da educação, necessariamente inserida nas coordenadas do tempo histórico e do espaço social.

 
 

 

 
John Dewey: a utopia democrática

Marcus Vinicius da Cunha.
.
.
.
.
John Dewey (1859-1952) é lembrado com um dos pensadores que desencadearam o movimento de renovação das ideias e práticas pedagógicas conhecido como Escola Nova. Ele é o responsável por noções educacionais que marcaram a primeira metade do século xx e que hoje voltam a ser discutidas. De sua autoria, por exemplo, é a proposta de organizar a escola como uma “sociedade em miniatura”, conforme consta no Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova (1932), assim como o conceito de “pensamento reflexivo”, presente nas discussões atuais que buscam conferir novo sentido à ação dos professores. Este livro analisa o pensamento pedagógico de Dewey, sobretudo o exposto nos livros Como pensamos e Democracia e educação.

 
 

 

 
Humanidades

Paulo Ghiraldelli Jr..(org.)
Ronie Alexsandro Teles da Silveira.(org.)
.
.
.
Oferece um panorama de disciplinas básicas que integram essa macroárea do conhecimento, como política, sociologia, antropologia, direito, feminismo, psicologia, literatura, filosofia, epistemologia e teologia. A abordagem dos textos é simples, feita segundo um vocabulário de encomenda: solicitou-se aos autores — especialistas nos assuntos de que tratam — que escrevessem de maneira que o “leigo culto” pudesse assimilar rapidamente o conteúdo. Os assuntos são agrupados sem nenhuma hierarquia, pois a noção de que as humanidades possam ser apreendidas segundo critérios de prioridade inviabiliza iniciativas que deveriam propiciar o ultrapasse das fronteiras entre variegadas formas do saber.