Home Editora Livros Notícias Onomástica Distribuidores
 
  Paulo Sgarbi
Mestre e doutor em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Professor adjunto da UERJ, na Faculdade de Educação.
 
 

 

 
Redes culturais, diversidades e educação

Inês Barbosa de Oliveira.(org.)
Paulo Sgarbi.(org.)
.
.
.
Os textos deste livro tratam da diversidade e das culturas, no plural, debate para o qual muitos acadêmicos ainda não estão prontos ou com o qual não estão acostumados. Reconhecer o outro é tarefa que exige abdicar da suposta superioridade conferida pelos saberes canônicos válidos e valorizados. Trata-se de aprender a traduzir os, por vezes “obscuros”, significados de práticas cujos sentidos são despercebidos numa perspectiva vinculada tão só às possibilidades de leitura fornecidas pelos padrões dominantes. A diversidade cultural requer esse empenho de inteligibilidade em relação àquilo a que não se está habituado ou com o que se habituou a ler e entender como estranho, menor, exótico, precário.

 
 

 

 
Formação de professores: possibilidades do imprevisível

Joanir Gomes de Azevedo.(org.)
Neila Guimarães Alves .(org.)
.
.
.
Traz a voz de professores que contam suas vivências em sala de aula e costuram as tramas de suas experiências de ensinar e aprender com os alunos, razão máxima da docência. A noção de rede é fundamental na compreensão das identidades dos sujeitos. Somos seres múltiplos, pois fazemos parte de distintos contextos socioculturais. Educação familiar, classe econômica, crença religiosa, trajetória escolar, lazer e acesso ao conhecimento, entre outros aspectos, são fundamentais no desenrolar do fio condutor de nossas vidas. Integramos um movimento contínuo de ensinamento e aprendizagem, com espaço para que possamos (e devamos) nos surpreender e nos encantar com o novo, com a possibilidade do imprevisível.

 
 

 

 
Cultura e conhecimento de professores

Aldo Victorio Filho.(org.)
Solange Castellano Fernandes Monteiro.(org.)
.
.
.
Quando se reflete sobre a formação de professores/as, não se pode ignorar o conteúdo que emerge no/ do contexto cotidiano em que estão inseridos/as. Este livro analisa as práticas que produzem conhecimento frente aos desafios diários dentro e fora das salas de aula. Os textos fazem pensar no não escrito da formação docente e na possibilidade de criação de produtivos fios de contato que cada leitor/a traz de sua própria trajetória, acrescida do encontro com as diversas experiências registradas por seus/suas autores/as. Explicitam sentimentos e sentidos criados no modo singular de apropriação das redes e os modos como, a partir de práticas individuais, se reinventam saídas coletivas.

 
 

 

 
Como me fiz professora

Geni Amélia Nader Vasconcelos.(org.)
.
.
.
.
Como surge a profissão do magistério? Quem são os/as professores/as? Quais são suas experiências e como se constituem nos espaços-tempos sociais? Quais são seus sonhos, suas inquietações? O que alimenta, ao longo da vida, o trabalho dos docentes? Este livro discute esses temas, ao registrar o itinerário dos profissionais da educação. Por intermédio da articulação entre biografia e história, possibilita perceber como o aspecto individual e o social estão interligados e como as pessoas lidam com as situações da estrutura mais ampla que se lhes apresentam no cotidiano, transformando- o em espaço de imaginação, de luta, de acatamento, de resistência, de resignação, de criação.